Manual de Piscinas

slide1 

Manual de Manutenção de Piscinas

 

Nota Introdutória  

As piscinas precisam de cuidados e manutenção regulares para conservar a água em perfeitas condições de transparência e higiene.

Os banhistas e factores climatéricos, como o vento e/ou a chuva, etc., vão introduzindo na água microorganismos e outros agentes de contaminação que podem prejudicar os utentes e causar deterioração prematura das instalações.

A TERRAVIVA, empresa especializada no tratamento de águas de piscinas, disponibiliza a informação que segue para que adquira conhecimento dos cuidados a ter e se familiarize com os procedimentos necessários para que a água se mantenha límpida e desinfectada para que possa usufruir deste seu bem de forma agradável e segura. 

 

CAPACIDADE DA PISCINA

 

Antes de pensar no tratamento mais adequado deve conhecer a capacidade da sua piscina, ou seja o seu volume, desta forma poderá calcular exactamente as doses de produtos que deverá adicionar na água.

  • Exemplo:
    • Para uma Piscina rectangular ou quadrada (multiplique em metros):

Comprimento da piscina x Largura x Profundidade média da piscina (máxima + mínima / 2)

(Nota: Para um valor mais aproximado em piscinas circulares e/ou ovais, multiplique o valor final por 0,84)

 

 

SISTEMA DE FILTRAGEM

Como mencionado acima, os banhistas e as condições climatéricas, produzem constantemente sujidade na água. Esta sujidade é a causa do turvamento da água que se converte em alimento para as bactérias e algas. Por isso, é indispensável eliminar a referida sujidade com a ajuda de equipamentos de filtração. Para o filtro realizar uma melhor retenção de partículas suspensas na água, pode-se usar eventualmente um produto floculante líquido, granulado ou em forma de pastilhas com as devidas precauções.

O filtro retém as partículas de sujidade transportadas pela água, mantendo-a transparente e limpa. É importante que o filtro seja adequado á dimensão da piscina e que trabalhe o tempo suficiente, ou seja para piscinas privadas, o equivalente a duas vezes o volume de total de água por dia.

Existem vários tipos de filtro de piscina, sendo:

Areia: Balão, oval ou esférico, em fibra de vidro, inox ou plástico com entrada de água na parte superior e saída na parte inferior, leva cerca de dois terços da sua capacidade de areia calibrada através da qual a água da piscina passa deixando nela os resíduos e devolvendo a água limpa á piscina.

Conselhos-> Observar a pressão no manómetro e sempre que subir acima da pressão de trabalho (marca verde), efectuar uma contra lavagem para evitar danificar retentores e juntas e as consequentes percas de água.

(Este é o mais popular mas o que tem menor capacidade de retenção, ultimamente apareceram no mercado outras matérias para utilização nos filtros de areia (granulados porosos) que têm mais capacidade de retenção de partículas do que a areia e diminuindo assim o tempo de trabalho e a frequência das lavagens, reduzindo assim os custos em água e energia eléctrica)

Cartuchos: Cápsula cilíndrica em fibra de vidro, inox ou plástico com filtro tipo cartucho em nylon ou acrílico no seu interior; tem mais capacidade de filtragem do que os de areia mas com mais manutenção aquando da lavagem, mais recomendado para piscinas de interior ou cobertas e banheiras de hidromassagem (SPAs).

Conselhos-> Observar o manómetro de pressão e retira-lo para limpeza ou substituição quando sujo. Existem produtos para limpeza mas de qualquer forma recomenda-se a existência de dois filtros para que a substituição seja mais rápida e se adquirir o tempo adequado para limpar o filtro removido

Diatomáceas: Também em forma de cartucho, mas com um produto adicional que melhora a capacidade do filtração. Especifico para piscinas interiores.

Conselhos-> Monitorar o medidor de pressão e fazer uma lavagem cada vez que o indicador estiver acima da pressão de trabalho normal (acima da marca verde) para evitar danos nas juntas, gaxetas e os vazamentos de água resultantes.

 

 

Desinfecção

Mesmo aparentemente transparente, a água pode conter bactérias e vírus transmissores de doenças e infecções. Por essa razão é necessário desinfectá-la a fim de eliminar todos os microorganismos. Ao juntar cloro, seja em grão, pó e/ou pastilha na água da piscina, parte deste é destruído ao consumir os contaminantes que já se encontram na água. O restante cloro permanecendo na água preparado para actuar contra todos os novos agentes de contaminação que surjam ao serem introduzidos através de banhistas e demais factores já mencionados. A este cloro dá-se o nome de Cloro Livre.

Para assegurar uma boa desinfecção da piscina deve ser mantido um nível de Cloro Livre entre 0.8 e 1.8 ppm, consoante o valor de PH na água da piscina.

TABELA:

PH 7.0 7.4 7.7 7.9
Cloro Livre 0.8 1.0 1.4 1.8

O consumo de cloro varia com a temperatura, a quantidade de banhistas, a poluição e até incidência solar. Por estas razões é necessário analisar o nível de cloro diariamente com a ajuda de um kit analisador de cloro e PH.

Tipos de produtos de desinfecção (cloro):

Cloro de dissolução lenta

O mais popular oxidante dado o completo e rápido efeito de desinfecção, além do custo, é o cloro de dissolução lenta estabilizado mais conhecido por tricloro e é fornecido nos seguintes formatos:

  • Grão, para acção mais rápida mas com aplicação mais frequente.
  • Blocos ou pastilhas de 200 gramas, para utilização em doseadores ou directamente no cesto do skimmer.
  • Blocos ou pastilhas de 300, 500 ou 600 gramas para uma duração mais prolongada e assim permitir visitas menos frequentes á piscina para sua desinfecção, o que não significa que se possa também negligenciar a limpeza do filtro.

 

Cloro rápido

Cloro sem estabilizador, também chamado dicloro ou cloro choque, é utilizado para efectuar tratamentos de choque para repor de forma rápida o nível de cloro ou tratar uma elevada concentração de algas, dever-se-á no entanto rectificar os níveis de PH para que produza o efeito necessário.

 

Outros produtos de desinfecção:

Bromo

O Bromo é um desinfectante menos conhecido, isento de cheiro, portanto adequado para piscinas cobertas ou interiores e banheiras de hidromassagem (Jacuzzis) onde as temperaturas mais elevadas e ausência de ventilação exigem um desinfectante isento de cheiro. É também mais tolerante com os valores de PH.

Oxigénio Activo

Este desinfectante é ideal para utilizadores com olfacto e olhos mais sensíveis, tem sido desenvolvido ao longo dos anos e apesar de ter sido extremamente dispendioso, presentemente é bastante popular na utilização em piscinas cobertas e banheiras de hidromassagem, os chamados Jacuzzis.

 

Produtos compostos

Existem no mercado produtos compostos onde além do cloro estão também presentes antialgas e floculantes, especialmente concebidos para reduzir a variedade de embalagens necessárias e ao mesmo tempo facilitar o tratamento completo da água uma vez que o antialgas e o floculante permitem uma concentração de cloro mais reduzida.

Existem ainda produtos com mais componentes além do cloro, como os coagulantes, redutores de PH, bactericidas,  estabilizadores, anticalcários, fungicidas, etc.

 

COMO COMBATER AS ALGAS

As algas são organismos vegetais unicelulares que podem desenvolver-se e multiplicar-se rapidamente na água, sobretudo quando a sua temperatura é moderada. Para prevenir o seu desenvolvimento, além do desinfectante deve-se utilizar um produto antialgas, composto ou não (ver ultima parte deste manual).

 

Prevenção de Algas

As algas podem aparecer na piscina transportadas pelo vento e fixam-se quando o nível de desinfecção é reduzido ou não está a ser utilizado um antialgas. Tornam as superfícies das piscinas escorregadias e além de serem esteticamente desagradáveis, dificultam a desinfecção. Existem no mercado produtos específicos para as eliminar e manter fora da sua piscina sem ser necessário utilizar em grandes quantidades ou podem ser inibidas através dos já referidos produtos multicomponentes.

O seu aparecimento é mais comum durante a época de mais calor porque necessitam de calor, luz e substâncias nutrientes.

Existem antialgas que fazem mais ou menos espuma mas a dureza da água tem influência directa na existência de espuma.

Para as eliminar depois de se formarem, o antialgas pode não ser suficiente e nesse caso será necessário fazer um tratamento de choque com cloro rápido (dicloro em pó ou grão).

 

 

A Transparência da Água

Os filtros são o equipamento responsável pela remoção das partículas que tornam a água turva e ajudam na desinfecção da mesma, no entanto porque a capacidade dos mesmos é limitada e permitem a passagem de partículas abaixo de uma certa dimensão, dependendo do tipo de filtro, existem produtos que facilitam o trabalho e rendimento dos filtros como já descrevemos no respectivo capitulo, assim para “ajudar” os referidos filtros pode-se utilizar floculante, pontualmente em caso de necessidade extrema, ou regularmente em doses reduzidas de forma a reduzir o tempo de trabalho dos filtros.

O Floculante pode ser em líquido, para doseamento automático ou tratamento de recuperação, em pastilhas ou cartuchos.

Para que a acção do floculante seja eficaz é imperativo que o valor do PH esteja dentro dos parâmetros ideais, sendo este entre 7.2 e 7.4.

 Tratamento de Manutenção

PH

O PH é o factor mais importante já que influencia a acção do desinfectante do cloro, o conforto dos banhistas e o estado da instalação. O PH (potencial hidrogeniónico) indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade.

Na piscina de betão o PH deve manter-se entre 7,2 e 7,6 e nas de poliéster entre os 7,0 e 7,4. Estes intervalos de PH para além de conservar as instalações em bom estado é o ideal para a pele e olhos dos banhistas. Para manter o PH entre os dois valores deve-se analisar diariamente (duas vezes para piscinas muito frequentadas) com a ajuda do Kit.

Regulação do PH

Analise o PH da água e ajuste-o entre 7,2 e 7,6 adicionando corrector de PH adequado. É difícil que este valor seja estável já que a temperatura, o cloro, a dureza da água e os banhistas, provocam a sua constante alteração, por isso aconselhamos a sua monitorização diariamente. Estas variações são maiores no início da temporada.

Quando o valor do PH é elevado:

  1. Reduz a eficácia do desinfectante.
  2. Cheira a cloro devido ao cloro combinado (cloraminas).
  3. O calcário precipita-se nos revestimentos e demais equipamento de condução de fluidos.
  4. Ocorre a irritação das mucosas nos banhistas afectando olhos, nariz e ouvidos devido á remoção da camada ácida que protege a pele.
  5. O efeito de floculação não ocorre.

Quando o valor de PH é baixo:

  1. Ocorre o efeito de corrosão devido ao excesso de ácido na água.
  2. O equipamento sofre deterioração prematura devido á acidez da água assim as partes metálicas e as juntas podem ser irremediavelmente afectadas.
  3. O excesso de ácido sendo corrosivo pode provocar queimaduras e descoloração de fatos de banho.
  4. O efeito de floculação não ocorre.

 

 

 

Equipamentos Automáticos

Existem equipamentos de monitorização e controle dos vários parâmetros de desinfecção e PH da água, em ambos os casos são várias as ofertas no mercado e embora na área do PH a variação seja mais perceptiva em termos de marcas e mostradores já na desinfecção temos variações em termos de tipo de acção, a saber:

 

Doseamento de desinfectante

(Com medição manual)

O desinfectante pode ser introduzido automaticamente através de Doseadores de pastilhas de cloro ou de bromo, de Bomba injectora de cloro líquido ou oxigénio activo no entanto estes aparelhos de doseamento necessitam de controlo manual de medição dos valores de forma a não ultrapassarem os parâmetros ideais.

Doseamento com controlo

Existem depois os aparelhos de doseamento com controlo dos valores a atingir devidamente programados que efectuam a medição e dão instruções às bombas para injectarem o produto necessário até atingir os valores definidos.

Existem aparelhos deste tipo para controlar todo o tipo de desinfectante, floculante e reguladores de PH.

As medições são normalmente efectuadas através de sondas que devem ser verificadas e se necessário calibradas em todos os inícios de temporada de forma a assegurar uma medição e consequente injecção correcta.

Electrólise de Sal

São geradores de cloro a partir de sal (cloreto de sódio) que não necessitam de mais produtos excepto do regulador de PH, são bastante fiáveis e são compostos por um quadro de corrente eléctrica e de uma célula de titânio onde é efectuada a electrólise. Existem aparelhos com e sem inversão de polaridade sendo que os que não invertem a polaridade acumulam calcário que é necessário remover periodicamente.

É o equipamento mais popular devido á sua comprovada eficácia.

Ultra Violetas

São os mais recentes equipamentos de desinfecção com a última tecnologia disponível, eliminam as bactérias e vírus através dos raios ultra violeta, têm capacidades variáveis sem necessidade de recorrer a outros produtos com excepção para o PH, sem odor e sem irritar as mucosas dos utilizadores, têm custos de instalação e manutenção relativamente reduzidos.

Podem ser utilizados em piscinas e em banheiras de hidromassagem.

 

Gerador de Ozono

Geração automática de ozono, um poderoso gás oxidante extremamente eficaz na desinfecção da água de piscinas, até agora mais utilizado em banheiras de hidromassagem sem odor mas necessita de equipamento com especial resistência á oxidação e de cloro ou bromo acima dos 20º celsius para ajudar desinfectar com eficácia total.

São mais utilizados em banheiras de hidromassagem.

 

 

 

Possíveis Problemas:

Problemas Água Turva Água verde Água castanha Manchas nas paredes Incrustações
Causa Fraca Filtração

pH alto

Excesso de resíduos orgânicos

Formação de algas Presença de ferro ou manganês Presença de iões metálicos Precipitação de sais calcários da água
Solução Realize uma contra-lavagem do filtro.

Adicione 1 lt. de Floculante Liquido por cada 100m3 de água. Analise o pH e ajuste-o entre 7,2 e 7,6. Adicione 15 gr. de dicloro granulado (cloro dupla-acção) por cada m3 de água.

Realize uma cloração de choque com 15 gr. de dicloro granulado por cada m3 de água.

Adicione 3 lts. de um anti-algas forte por cada 100 m3 de água.

Ajuste o pH.

Ajuste o pH entre 7,2 e 7,6.

Adicione 15 grs. de dicloro granulado por cada m3 de água.

Adicione 1 lt. de Floculante liquido por cada 100 m3 de água. Aspire o resíduo depositado no fundo para esgoto depois de ter enchido a piscina até ao nível máximo.

Esvazie a piscina e limpe as manchas com desiscrustante de superfícies. Ajuste o pH entre 7,2 e 7,6.

Adicione uma vez por semana 1 a 2 lts. de anticalcário.

 

 

Agora que já sabe o essencial para uma boa manutenção da sua piscina, passemos para:

 

1-Arranque da Piscina

No início da temporada e especialmente se a piscina não foi objecto de tratamento de invernação, deve efectuar-se o arranque da piscina. É importante seguir o procedimento adequado e a seguir descrito para evitar problemas durante a temporada, chamada alta.

  1. Verifique se os equipamentos da sua piscina, (bomba, filtro, válvulas e caso exista sistemas automáticos) seu funcionamento correcto e existência de fugas, substituindo juntas e retentores em caso de necessidade (no caso das juntas tóricas, chamados O’rings basta verificar se mantêm a forma redonda na sua bitola.
  2. Caso se justifique, baixe o nível da piscina cerca de 20 cms e lave a linha de água com um detergente adequado ao revestimento da mesma, lave skimmers e respectivos cestos. Deve-se aplicar o produto entre 5 a 10 minutos e depois esfregar e enxaguar.
  3. Reponha o nível da piscina no meio dos skimmers.
  4. Analise o PH da água e ajuste-o entre os valores 7,2 e 7,6 adicionando o corrector adequado em função da leitura obtida, sendo PH- para reduzir o valor e PH+ para o fazer subir sempre tendo em conta a quantidade necessária para o volume da sua piscina. Cerca de uma hora com o equipamento em funcionamento após a adição do produto, deverá voltar a analisar e repetir a acção caso seja necessário até que obtenha um valor dentro dos parâmetros requeridos.
  5. Efectue uma cloração de choque com cloro rápido, (cerca de 3 kgs por cada 100m3 de água) aplicado directamente na piscina ou através dos skimmers com o filtro na posição de “recirculação” durante cerca de 10 minutos. Voltar a colocar em “filtro” e deixar trabalhar durante cerca de 24 horas.
  6. Complete o tratamento adicionando antialgas tendo em atenção que só deverá aplica-lo quando o nível de cloro lido for inferior a 05 ppm e deixe repousar a piscina cerca de 24 horas para que as algas agora mortas se depositem no fundo e possam assim ser retiradas.
  7. Caso a água ainda se encontre turva deverá utilizar pastilhas floculantes para ajudar o filtro a reter as partículas mais pequenas em suspensão, se a quantidade for elevada dever-se-á subir o nível da piscina e efectuar um tratamento de floculação directo, provocando assim o depósito das partículas no fundo da piscina e aspirando então para “esgoto”.
  8. Depois de clarear a água dar então inicio ao programa de manutenção.

Nota: É extremamente importante nunca operar a válvula do filtro com a bomba em funcionamento, sempre com a bomba desligada e o manipulo deve ser pressionado até ao fim antes de rodar para não danificar a junta da válvula uma vez que esta quando danificada provoca fuga de água directamente da piscina para o esgoto.

 

 

Tratamento de invernação

Quando a temperatura da água for inferior a 15ºC, ajuste o pH com o CtX-10 pH- redutor de pH ou o CtX-20 pH+ incrementador de pH entre 7,2 e 7,6 e realize uma cloração de choque com o CtX-200Gr Clorshock (15 g por cada m3 de água).

Deixe o filtro em funcionamento e no dia seguinte adicione o invernador CtX-550 Winterstar ou o CtX-551 Winterstar liner se a sua piscina for de fibra, liner ou poliéster (5 litros por cada 100 m3 de água). Este procedimento estabiliza a água para evitar que apareçam algas,microorganismos, etc.

Analise o pH da água para verificar que está compreendido entre 7,2 e 7,6. Em caso contrário, corrija o pH com o CtX-10 pH- redutor de pH ou o CtX-20 pH+ Incrementador de pH e deixe o filtro em funcionamento durante umas 8 horas para obter uma perfeita distribuição do produto na água.

Limpe o filtro com o CtX-55 desincrustante de filtros, faça uma boa contralavagem e enxagúe o filtro após a limpeza e cubra a sua piscina com uma cobertura.

É IMPORTANTE REPETIR TODOS ESTES PASSOS NA METADE DA TEMPORADA DE INVERNO